Quais são as principais comidas mineiras?

A culinária mineira é apreciada por sua simplicidade, suas cores vibrantes, aromas marcantes e pratos extremamente saborosos, resultados do encontro de diferentes povos que ocuparam seu território, na época de exploração das minas de ouro, especialmente colonizadores europeus e escravos, carregando muito de sua história e tradição.

Um dado interessante sobre a formação desta culinária é a de que vários pratos sejam fruto de improvisos e imaginação, já que, na época da exploração, os recursos alimentícios eram escassos e de difícil aquisição.

Os ingredientes usados para elaborar as principais comidas mineiras precisavam ser conseguidos facilmente, como milho, feijão, verduras regionais e animais mais comuns, como o frango e porco, o que leva a sua tão apreciada simplicidade.

A culinária de Minas Gerais conseguiu conquistar, com sua capital Belo Horizonte, em 2019, o título de Cidade Criativa da Gastronomia, dado pela Unesco. Quero destacar aqui que apenas 21 cidades do mundo todo receberam esse reconhecimento, o que demonstra o quão rica é a comida mineira.

Se interessou e quer conhecer um pouco mais sobre a culinária de Minas Gerais? Vem com a gente!

Leia também:

Aprenda como ganhar dinheiro com milhas aéreas

Veja três restaurantes que merecem a sua visita

Principais ingredientes dos pratos mineiros

Um dos grandes segredos da fama das comidas mineiras está nos acompanhamentos típicos e o tempero, que chamam a atenção das pessoas que experimentam os pratos em restaurantes locais.

Os temperos são simples, mas sua combinação é uma explosão de sabor. Em sua base temos o sal, o alho e a cebola, que deixam o aroma marcante das cozinhas de Minas Gerais. Além disso, os acompanhamentos de praticamente todo prato salgado que complementam e caracterizam a culinária típica.

Acompanhamentos das comidas mineiras

Banha de porco – Para deixar os pratos bem dourados, principalmente carnes e alguns assados, ela é amplamente utilizada, uma herança dos desbravadores da época do ciclo do ouro. Preparar alimentos com banha de porco também confere a estes maciez e um sabor característico.

Angu – Ele é um engrossado, que pode ou não ser temperado, preparado apenas com dois ingredientes: água e fubá de milho, o que confere mais firmeza ao resultado. É um dos acompanhamentos mais requisitados das cozinhas mineiras, servido junto de pratos típicos como é o frango com quiabo, por exemplo.

Se não preparado com cuidado, pode empelotar, o que deu origem à expressão “tem caroço nesse angu”.

Couve refogada – Este é um acompanhamento essencial das principais comidas mineiras, como o feijão tropeiro ou o tutu de feijão. Na versão à mineira, a couve é cortada bem fininha e refogada logo antes de ir à mesa, especialmente com banha de porco, alho e cebola.

Ora-pro-nóbis e taioba – Ingredientes comuns da cozinha mineira, essas verduras são muito típicas da região. As folhas de ora-pro-nóbis podem enriquecer saladas, refogados, sopas, omeletes e tortas, mas seu uso mais frequente é com a galinha caipira. Já a taioba é feita refogada, em farofas e também acompanhada do angu.

Urucum – De origem indígena, ele é também conhecido como colorau e foi amplamente incorporado à cozinha de Minas Gerais, proporcionando cheiro e cor marcantes aos pratos.

Principais comidas mineiras

Canjiquinha com costela de porco – Acredita-se que essa iguaria surgiu na divisa com o estado de Goiás e é feita com água, canjiquinha, cebola, caldo de carne, tomate e variados temperos como alecrim ou louro, e por fim, acrescida de costela de porco.

Deliciosa e ideal para os dias frios, é considerada popularmente como uma refeição que “dá bastante sustância” a quem a consome.

Doce de leite – A origem deste doce não é muito precisa. Alguns acreditam que tenha vindo no Chile. Outra versão diz que ele surgiu durante um encontro entre os generais Juan de Rosas e Lavalle, em 1829, na Argentina. Lá, cozinheira do acampamento teria deixado uma panela de ferro com açúcar e leite no fogo. Desse esquecimento teria surgido o doce de leite.

Independente da origem, o doce foi incorporado e se tornou umas das principais sobremesas mineiras. Apesar de várias formas de preparo e de consistência final, ele é feito sempre em uma panela grande em que se mistura leite fresco e açúcar.

Atualmente, os doces de leite mais conhecidos estão em Cambuí e Viçosa, e existem muitas variedades em potes com morango, coco, ameixa ou outras frutas. Uma delícia!

Feijão tropeiro – Outro prato que é muito lembrado e conquistou os brasileiros, é o feijão tropeiro.

A história por trás dessa comida mineira é bem interessante: há relatos de que foi inventada por tropeiros (comerciantes condutores de cavalos e mulas), na época do Brasil colonial, que percorriam o país, passando por São João Del Rei e fazendo o prato ficar famoso no local. Por ser uma de fácil conservação, não estragava durante os dias de viagem.

Em Minas Gerais, ele é feito com bacon, cebola, temperos, feijão tradicional, couve, farinha de mandioca, ovos e linguiça. Além disso, é sempre acrescido de torresmo, essencial para o ornamento deste prato.

Frango caipira com quiabo – Sendo uma das principais comidas originadas no solo mineiro, esse prato surgiu no século XIX, em locais de extração de ouro, como as cidades de Ouro Preto e Diamantina.

Este ensopado tem influência de várias culturas, como a indígena, portuguesa e africana, e consiste em um frango bem dourado, preparado com tomate, cebola e temperos tradicionais. Já o quiabo, por sua vez, é refogado à parte e adicionado ao final.

Se tiver mineiro reunido, já saiba, tem um franguinho com quiabo na panela!

Leitão à pururuca – Com origem portuguesa, o leitão à pururuca é uma das principais comidas mineiras, muito solicitada nos restaurantes da região.

O seu preparo é realizado em três fases: primeiro, se assa o leitão com pele, depois, resfria-se a superfície com gelo e, por fim, coloca-se em óleo bem quente até que a pele adquira um aspecto crocante e com bolhas.

O leitão chega à mesa, acompanhado de arroz branco, feijão tropeiro e couve.

Dá até pra ficar com a boca cheia d’água só de imaginar a crocância da pururuca, não é?

Tutu de feijão – Não dá pra falar sobre as principais comidas mineiras sem citar o tutu. Prato extremamente prático e simples, é feito geralmente com o feijão preto ou o vermelho, que é cozido, temperado, amassado ou batido em liquidificador até ficar como purê e engrossado com farinha de mandioca.

Os acompanhamentos são os tradicionais: arroz, couve picada fina, ovos cozidos e torresmo, ou outra carne de porco frita.

O queridinho: Pão de queijo – Sem sombra de dúvida, o famosíssimo pão de queijo é um dos queridinhos de Minas Gerais. A iguaria surgiu em fazendas produtoras de leite, no século XVIII, adaptado de uma receita francesa. Curiosamente, o alimento era oferecido apenas em ocasiões e reuniões especiais.

Sua receita leva água, leite, óleo, sal, ovos, polvilho doce e azedo – devido à abundância desse alimento em vez de farinha de trigo na região – e, tradicionalmente,, queijo minas curado.

Acompanhado de uma boa prosa e um bom café, não há como resistir!

O renomado queijo mineiro – Você sabia que metade dos queijos consumidos no Brasil vem de Minas Gerais? Graças ao estado, o país ocupa a 6ª posição de maiores produtores do mundo. Ao visitar o estado, é também muito comum que turistas levem o alimento como lembrança da região.

Sua peculiaridade e fama se devem às características específicas do solo, clima e temperatura da região, assim como da alimentação do gado. O que faz com que o queijo mineiro seja muito especial.

O queijo Minas do Serro é reconhecido com Patrimônio Cultural Imaterial Brasileiro pelos institutos IEPHA E IPHAN.

Já o queijo proveniente da Serra da Canastra é produzido há mais de 200 anos e é “primo distante” do Serra da Estrela, de Portugal, trazido pelos imigrantes da época da exploração do ouro. Ele fez com que a região mineira se transformasse em um dos principais pontos de turismo gastronômico no Brasil.

Por sua vez, o queijo de Araxá já foi escolhido, em 2017, pela França, como o melhor do mundo.

Vitrine Hotel

Voltar ao topo